Mostrando postagens com marcador #Sociedade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #Sociedade. Mostrar todas as postagens

19/02/2017

Livrar seu corpo de venenos - dicas para desintoxicar o corpo naturalmente




clip_image002


Algumas
maneiras naturais para manter o cérebro saudável fornecendo dicas para livrar o
corpo das substâncias perigosas. Em outras palavras, a forma de lutar contra o
emburrecimento da sociedade.

leia mais...

14/02/2017

Existe um esforço deliberado por parte do governo para idiotizar as massas?

Dicas
Os Efeitos dos Medicamentos de Controle da Mente, dos Alimentos Transgênicos, do Flúor e do Aspartame
A Sociedade Idiotizada 01
Existe um esforço deliberado por parte do governo para idiotizar as massas? É difícil provar isto, mas existe uma grande quantidade de dados que confirma que a elite governante não somente tolera, mas também define políticas que têm um efeito prejudicial sobre a saúde física e mental da população. Esta série de artigos examina os muitos modos como o homem moderno está sendo idiotizado. A Parte 1 discute os venenos encontrados nos alimentos, nas bebidas e nos medicamentos consumidos regularmente pela população.
Os temas da idiotização e desumanização das massas são frequentemente discutidos nos artigos do site The Vigilant Citizen. Entretanto, a presença desses conceitos na cultura popular é somente a expressão exterior e simbólica das profundas transformações que estão ocorrendo em nossa sociedade. Os dados científicos provam que os governos de todo o mundo toleram a venda de muitos produtos que têm um efeito negativo e direto sobre a saúde física e cognitiva. Como veremos neste artigo, muitos produtos usados no dia a dia causam danos ao cérebro, prejudicam a capacidade de fazer julgamentos e até reduzem o quociente de inteligência (QI).
Uma população mais idiotizada é algo desejável pelas elites? Adolf Hitler certa vez disse: "Que bom para os líderes que os homens não pensem." Uma população educada conhece seus direitos, compreende as grandes questões e toma atitudes quando não aprova aquilo que está acontecendo. Julgando pela quantidade incrível de dados disponíveis sobre o assunto, parece que a elite quer o oposto exato: uma população sedada, enferma, amedrontada e confusa. Veremos os efeitos dos remédios, dos pesticidas, do flúor e do aspartame no corpo humano, e como esses produtos estão sendo promovidos pelas pessoas que pertencem à estrutura do poder.
O Abuso dos Medicamentos Prescritos
Nas últimas décadas testemunhamos um surpreendente aumento de medicamentos de prescrição obrigatória para tratar todos os tipos de problemas. As crianças são particularmente afetadas por esse fenômeno. Desde os anos 1990, uma proporção cada vez maior de crianças está sendo diagnosticada com "doenças" como o Transtorno do Déficit de Atenção, e estão recebendo medicações que alteram a mente, como o Ritalin.
A DEA (Drug Enforcement Administration) ficou alarmada pelo tremendo aumento na prescrição desses medicamentos em anos recentes. Desde 1990, as prescrições do metilfenidato aumentaram em 500%, enquanto as prescrições de anfetamina para o mesmo propósito aumentaram 400%. Agora, vemos uma situação em que de 7 a 10% dos meninos estão tomando esses medicamentos, em algum ponto, bem como uma crescente porcentagem de meninas. [Fonte].
Hoje, as crianças que mostram possuírem muita energia, personalidade ou força estão sendo sedadas com medicamentos poderosos, que afetam diretamente o funcionamento de seus cérebros. Será se estamos indo na direção certa aqui?
Embora o Transtorno do Déficit de Atenção não esteja claramente definido e documentado — ele não causa quaisquer efeitos biológicos observáveis — as crianças estão sendo diagnosticadas com a doença em grande número. Isso levanta importantes questões éticas.
"Pediatras e eticistas têm expressado suas preocupações com o uso desses estimulantes. Em um artigo publicado no jornal The New York Times, eles questionaram a adequação de medicar as crianças sem ter um claro diagnóstico na esperança que o desempenho escolar delas melhore. Eles também perguntam se os medicamentos deveriam ser dados a adultos que fracassam em suas carreiras ou que são procrastinadores. Eles questionam a validade desses métodos."
"Essa preocupação também foi expressa na edição de janeiro de 2005 da revista Pediatrics, em que as grandes discrepâncias entre os padrões de prática dos pediatras e as diretrizes da Academia Americana dos Pediatras para a avaliação e tratamento das crianças com o Transtorno do Déficit da Atenção com Hiperatividade (TDAH) foram apresentadas. O artigo também declarava que, como a comunidade médica não chegou a um consenso sobre como diagnosticar esses dois distúrbios, não deveria tomar decisões importantes sobre como tratar os indivíduos que foram diagnosticados com eles."
O uso do Ritalin em uma idade precoce quebra o limiar psicológico que as pessoas mantêm em relação ao uso das pílulas de uso controlado, o que torna essas crianças mais propensas a consumirem drogas psicotrópicas posteriormente em suas vidas. Não devemos ficar surpresos se testemunharmos um crescimento drástico no consumo de antidepressivos nos anos futuros. A tendência já começou:
"Em seu estudo, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças examinou os 2.4 bilhões de medicamentos prescritos nos consultórios médicos e nos hospitais em 2005. Desses, 118 milhões eram antidepressivos."
"O uso de antidepressivos e outros medicamentos psicotrópicos — aqueles que afetam a química cerebral — subiu rapidamente na última década. O uso adulto dos antidepressivos quase triplicou entre os períodos de 1988-1994 e 1999-2000. Entre 1995 e 2002, o ano mais recente em que as estatísticas estão disponíveis, o uso desses medicamentos subiu 48%, informou o CDC." [Elizabeth Cohen, CNN].
O uso de pílulas vendidas sob prescrição médica pode ser uma grande ajuda para casos específicos e corretamente diagnosticados. Entretanto, a indústria farmacêutica, que tem muitos "amigos" nos altos escalões do governo, está promovendo o uso generalizado das drogas psiquiátricas dentro do público. Desde 2002, um grande número de pílulas que afirmam corrigir todos os tipos de quadros mentais estão sendo anunciadas para o público, mas muitas delas foram aprovadas para a venda sem uma pesquisa apropriada dos efeitos colaterais. E o que é ainda pior: os efeitos colaterais podem ser conhecidos, porém formam ocultados do público. A seguir está uma lista das advertências feitas sobre as drogas psiquiátricas comumente vendidas. Alguns desses efeitos colaterais são na verdade aterrorizadores, pois uma pílula não deveria ter um poder tão grande sobre o cérebro humano. Considere o seguinte: alguns medicamentos foram obrigados a incluir advertências do risco de levarem você a cometer suicídio.
2004
  • 22 de março: A FDA (Food and Drug Administration) advertiu que antidepressivos como o Prozac (chamados de SSRI, ou Selective Serotonin Reuptake Inhibitors) poderiam causar "ansiedade, agitação, ataques de pânico, insônia, irritabilidade, hostilidade, impulsividade, acatisia (um estado de inquietação severa; a pessoa fica agitada, incapaz de relaxar ou ficar quieta), hipomania (entusiasmo acima do normal) e manias (psicoses caracterizadas por emoções exaltadas, ilusões de grandeza)."
  • Junho: A equivalente australiana da FDA, chamada de Therapeutic Goods Administration, reportou que as drogas antipsicóticas mais recentes poderiam aumentar o risco de diabetes.
  • Junho: A FDA ordenou que a embalagem do estimulante Adderall incluísse uma advertência sobre morte cardiovascular súbita, especialmente em crianças com histórico de doença cardíaca.
  • 15 de outubro: A FDA ordenou a colocação da tarja preta nos antidepressivos, advertindo que eles poderiam causar pensamentos e ações suicidas em pessoas menores de 18 anos de idade.
  • 21 de outubro: O Comitê de Reações Adversas em Medicamentos, da Nova Zelândia, recomendou que os antidepressivos mais antigos e mais recentes não fossem prescritos para pacientes com menos de 18 anos de idade, por causa do risco de suicídio.
  • 17 de dezembro: A FDA exigiu que a embalagem para a droga Strattera, usada no tratamento do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, advertisse que "O dano severo ao fígado poderá avançar para a falência do órgão, resultando na morte ou na necessidade de um transplante em uma pequena porcentagem de pacientes."
2005
  • 9 de fevereiro: Health Canada, a correspondente canadense da FDA, suspendeu a propaganda e comercialização do Adderall XR (dado uma vez ao dia) devido a relatórios de 20 mortes súbitas inexplicáveis (14 em crianças) e 12 derrames (2 em crianças).
  • 11 de abril: A FDA advertiu que o uso de drogas antipsicóticas em pacientes idosos poderia aumentar o risco de morte.
  • 22 de junho: A FDA anunciou sua intenção de fazer mudanças nos rótulos do Concerta e outros produtos Ritalina para incluir os efeitos colaterais: "alucinações visuais, ideias suicidas, comportamento psicótico, bem como agressão ou comportamento violento".
  • 30 de junho: A FDA advertiu que o antidepressivo Cymbalta poderia aumentar o pensamento ou comportamento suicida em pacientes infantis que estivem tomando o medicamento. Ela também advertiu sobre o risco potencial maior de comportamento suicida em adultos que tomavam antidepressivos.
  • Agosto: A Therapeutic Goods Administration australiana encontrou um relacionamento entre os antidepressantes e propensão ao suicídio, acatisia, agitação, nervosismo e ansiedade em adultos. Sintomas similares poderiam ocorrer após a suspensão da medicação, a agência verificou.
  • 19 de agosto: O Comitê Sobre Produtos Medicinais, da Agência Europeia de Medicamentos, advertiu sobre o uso de antidepressantes para crianças, dizendo que os medicamentos provocavam tentativas e pensamentos de suicídio, agressão, hostilidade, comportamento e fúria hostis.
  • 26 de setembro: A Agenzia Italiana del Farmaco (equivalente italiana da FDA) advertiu sobre o uso de antidepressivos mais antigos (tricíclicos) em pessoas com menos de 18 anos de idade. Ela também verificou que as drogas estavam associadas com ataques do coração em pessoas de qualquer idade.
  • 29 de setembro: A FDA ordenou que a bula do medicamento Strattera, usado para tratar o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade incluísse uma advertência sobre o risco maior de pensamentos suicidas em crianças e adolescentes que fizessem uso do produto.
  • 17 de outubro: A FDA advertiu que o antidepressivo Cymbalta poderia ser prejudicial ao fígado.
  • 24 de outubro: A FDA retirou o estimulante Cylert do mercado por causa do risco de ser tóxico para o fígado e poder levá-lo à falência.
  • Novembro: A FDA advertiu que o antidepressante Effexor poderia causar pensamentos homicidas.
2006
  • 9 de fevereiro: O Comitê Avaliador de Gerenciamento de Risco e Segurança dos Medicamentos, da FDA, recomendou que a advertência da tarja preta fosse usada para os estimulantes, pois eles podem causar ataques cardíacos, derrames e morte súbita.
  • 20 de fevereiro: Autoridades britânicas advertiram que o medicamento Strattera estava associado com as convulsões e podia potencialmente estender o período de tempo do ritmo cardíaco.
  • 22 de março: Um painel de avaliação da FDA ouviu evidências de quase 1.000 relatórios de crianças que experimentaram psicose ou mania durante o tempo em que tomaram estimulantes.
  • 3 de maio: Relatórios de reação adversas de medicamentos da FDA reportaram vínculos entre as drogas antipsicóticas com 45 mortes de crianças e 1.300 reações adversas sérias, como convulsões e baixo número de glóbulos brancos.
  • 12 de maio: O fabricante do Paxil advertiu que o antidepressivo aumentava o risco de suicídio em adultos.
  • 26 de maio: Health Canada fez novas advertências de riscos cardíacos raros para todas as drogas prescritas para o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, incluindo o risco de morte súbita.
  • 2 de junho: Um estudo da FDA determinou que a droga antipsicótica Risperdal poderia causar tumores na glândula pituitária. Essa glândula, na base do cérebro, excreta hormônios que promovem o crescimento e regulam as funções do organismo. Os antipsicóticos podem aumentar a prolactina, um hormônio na glândula pituitária, e esse aumento foi vinculado ao câncer. Foi descoberto que o Risperdal aumenta os níveis da prolactina mais frequentemente do que em outros antipsicóticos.
  • 19 de julho: A FDA disse que as caixas dos antidepressivos deveriam conter advertências que eles podem causar uma condição fatal nos pulmões dos recém-nascidos, se a mãe tomar os antidepressivos SSRI durante a gravidez. Os pacientes que sofrem de sinusite também precisam ser advertidos que combinar os medicamentos para tratar a sinusite com SSRIs pode resultar em um quadro clínico que pode ser fatal, conhecido como Síndrome da Serotonina.
A Contaminação dos Alimentos
O homem moderno ingere durante sua vida uma quantidade incrível de substâncias químicas, sabores artificiais e aditivos. Embora exista uma crescente preocupação com a alimentação saudável, existem também muitas más informações e desinformações.
No tempo presente, uma única companhia — a Monsanto — produz aproximadamente 95% de toda a soja e de todo o milho nos EUA. Com isto em vista, os sucrilhos de cereal que você comeu no café da manhã, o refrigerante que bebeu no almoço e o bife que comeu no jantar provavelmente foram produzidos a partir das plantações realizadas com sementes transgênicas patenteadas pela Monsanto. Existem diversos documentos e filmes que expõem o braço forte da Monsanto no setor agrícola, de modo que não vou expandir esse assunto. Entretanto, é importante observar que existe atualmente um virtual monopólio na indústria de alimentos e existe um vínculo nada saudável entre a Monsanto e o governo norte-americano. Muitas pessoas que foram fundamentais na aprovação de leis nos setores dos alimentos, medicamentos e da agricultura estiveram também, em algum tempo, na folha de pagamento da Monsanto. Em outras palavras, a elite decide quais alimentos serão oferecidos a você.
Autoridades que já trabalharam no passado para a Monsanto:
  • O juiz da Suprema Corte Clarence Thomas trabalhou como advogado para a Monsanto nos anos 1970. Ele foi o relator na decisão de 2001 da Suprema Corte J. E. M. Ag Supply Inc. versus Pioneer Hi-Bred International Inc., que determinou que "as variedades de plantas recém-desenvolvidas são patenteáveis sob as leis gerais de patentes dos EUA." Este caso beneficiou todas as companhias que lucram com as plantações geneticamente modificadas, das quais a Monsanto é uma das principais.
  • Michael R. Taylor era assistente de um comissário da FDA antes de sair para trabalhar para um escritório de advocacia para obter a aprovação da FDA dos hormônios artificiais do crescimento, da Monsanto, nos anos 1980. Taylor depois se tornou subcomissário da FDA, de 1991 a 1994. Mais tarde, ele foi novamente indicado para a FDA, em agosto de 2009, pelo presidente Barack Obama.
  • Dr. Michael A. Friedman era um subcomissário da FDA antes de ser contratado como vice-presidente sênior da Monsanto.
  • Linda J. Fisher era uma administradora-assistente na Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos EUA antes de se tornar vice-presidente da Monsanto de 1995-2000. Em 2001, ela se tornou sub-administradora da EPA.
  • O ex-Secretário de Defesa Donald Rumsfeld foi presidente da G. D. Searle & Co., que a Monsanto adquiriu em 1985. Rumsfeld pessoalmente ganhou pelo menos 12 milhões de dólares na transação.
Muitas leis (aprovadas por ex-funcionários da Monsanto) facilitaram o lançamento de alimentos geneticamente modificados para o público.
"De acordo com as estatísticas atuais, 45% do milho e 85% da soja nos EUA são geneticamente modificados. Estima-se que de 70 a 75% dos alimentos industrializados que estão à venda nos supermercados contêm ingredientes geneticamente modificados."
"Outros alimentos geneticamente modificados são: canola, mamão papaya, batata, arroz, abóbora, certas variedades de melão, beterraba, linho, tomate, óleo de canola. Uma plantação de produto não-alimentício que é comumente geneticamente modificada é o algodão. O Hormônio Recombinante do Crescimento Bovino (rBGH, ou Prosilac) geneticamente modificado foi um dos primeiros produtos dessa classe a entrar na cadeia alimentar da nação. A FDA aprovou o rBGH da Monsanto em 1993.” [Anna M. Salanti, Genetically Engineered Foods].
Embora ainda seja impossível determinar os efeitos de longo prazo dos alimentos transgênicos no corpo humano, alguns fatos já foram estabelecidos. Os alimentos transgênicos contêm menos nutrientes e, mais importante de tudo, resistem aos produtos químicos dos pesticidas.
"Uma das características do alimentos transgênicos é sua capacidade de suportar a aplicação ilimitada de produtos químicos, incluindo os pesticidas. O bromoxinil e o glifosato foram associados com o desenvolvimentos de distúrbios em fetos, tumores, carcinogenicidade, e linfoma não-Hodgkin. Os estudos indicam que o Hormônio Recombinante do Crescimento Bovino (rBGH) da Monsanto faz as vacas produzirem leite com um aumento de um segundo hormônio, o IGF-1. Esse hormônio está associado com o câncer nos seres humanos. As recomendações da agência "cão de guarda" do Congresso, o Government Accounting Office (GAO), eram que o rBGH não fosse aprovado. A União Europeia, o Canadá e outros países baniram o produto. A ONU também se recusou a certificar que o uso do rBGH é seguro.” [ Ibidem].
As modificações genéticas criadas pela Monsanto tornam seus produtos maiores e mais esteticamente bonitos. Outra "melhoria", esta menos discutida, é a capacidade das plantas suportarem quantidades praticamente ilimitadas de pesticidas da marca Roundup. Isso incentiva os fazendeiros a usarem essa marca de pesticida, que é produzida pela... Monsanto.
Estudos sobre o Roundup vinculam o poderoso pesticida e herbicida a muitos problemas de saúde, como:
  • Riscos mais elevados de câncer linfático não-Hodgkin.
  • Abortos espontâneos
  • Transtorno do Déficit de Atenção (o real).
Flúor
Outra fonte de substâncias químicas nocivas encontra-se nos reservatórios de água do homem moderno e nos refrigerantes. Em 2002, as estatísticas do CDC mostraram que aproximadamente 60% da população americana recebia água fluoretada nas torneiras de suas casas. A razão oficial para a presença do flúor na água é que ele ajuda a prevenir a cárie dentária. Realmente? Seria esse benefício compensador para a população consumir grandes quantidades dessa substância? Alguns estudos já negaram qualquer benefício da água fluoretada para os dentes.
"Os cientistas agora acreditam que a principal ação protetora do flúor não vem de ingerir a substância química, com os dentes absorvendo-a a partir de dentro do corpo, mas da absorção direta por meio da aplicação tópica. Isso significa que beber água fluoretada é muito menos eficiente para combater as cáries do que escovar os dentes usando uma pasta dental com flúor." [Fonte].
Então, por que o flúor ainda é adicionado na água? Aqui estão alguns fatos rápidos sobre a fluoretação:
  • O flúor era usado antigamente como pesticida.
  • O flúor está registrado como "venenoso" na Lei dos Venenos de 1972, no mesmo grupo das toxinas, como arsênico, mercúrio e o herbicida Paraquat.
  • O flúor é cientificamente classificado como mais tóxico que o chumbo, mas existe cerca de 20 vezes mais flúor do que chumbo na água.
Muitos estudos já foram realizados sobre os efeitos do flúor no organismo humano e alguns efeitos adversos notáveis já foram observados: ele muda a estrutura e resistência dos ossos, prejudica o sistema imunológico e já foi vinculado com alguns tipos de cânceres. Outra consequência alarmante da fluoretação é seu efeito nas funções cerebrais:
"Em 1995, o neurotoxicologista e ex-diretor de Toxicologia no Centro Dentário Forsyth, em Boston, o Dr. Phyllis Mullenix, publicou uma pesquisa que mostrava o flúor acumulado no cérebro de animais quando expostos a níveis moderados. Ocorreram danos no cérebro e os padrões de comportamento dos animais foram afetados adversamente. Os filhotes que nasceram das fêmeas grávidas que receberam doses relativamente baixas de flúor mostravam efeitos permanentes no cérebro que eram vistos como hiperatividade (como os sintomas do Transtorno do Déficit de Atenção). Os animais jovens e adultos que receberam o flúor experimentavam o efeito oposto — hipoatividade e falta de ânimo. Os efeitos tóxicos do flúor no sistema nervoso central foram subsequentemente confirmados por pesquisa classificada (secreta) do governo. Dois novos estudos epidemiológicos que tendem a confirmar os efeitos neurotóxicos do flúor sobre o cérebro mostraram que as crianças expostas a níveis elevados de flúor têm um QI mais baixo." [Fonte]
Um efeito colateral menos conhecido, porém extremamente importante do flúor é a calcificação da glândula pineal.
Até os anos 1990, nenhuma pesquisa tinha sido realizada para determinar o impacto do flúor sobre a glândula pineal — uma pequena glândula situada entre os dois hemisférios do cérebro e que regula a produção do hormônio melatonina. Esse hormônio ajuda a regular o início da puberdade e ajuda a proteger o organismo de danos nas células causados pelos radicais livres.
Sabe-se agora — graças à pesquisa meticulosa da Dra. Jennifer Luke, da Universidade de Surrey, na Inglaterra, que a glândula pineal é o alvo principal da acumulação do flúor no organismo.
O tecido macio da glândula pineal adulta contém mais flúor do que qualquer outro tecido macio no organismo — um nível de flúor (cerca de 300 ppm) capaz de inibir as enzimas.
A glândula pineal também contém tecido rígido (cristais de hidroxiapatita) e esse tecido rígido acumula mais flúor (até 21.000 ppm) do que qualquer outro tecido rígido no organismo (por exemplo, dentes e ossos). [Fonte].
Além de regular os hormônios vitais, sabe-se que a glândula pineal serve a uma função esotérica. Ela é conhecida pelos grupos místicos como o "Terceiro Olho" e é considerada em muitas culturas como parte do cérebro responsável pela iluminação espiritual e o "vínculo com o divino". Estaria a iluminação para o homem moderno agora livre das restrições?
"No cérebro humano existe uma pequena glândula chamada corpo pineal, que é o olho sagrado dos antigos, e corresponde ao terceiro olho dos Ciclopes. Sabe-se pouco a respeito da função do corpo pineal, que Descartes sugeriu (mais sabiamente do que ele mesmo imaginava) que poderia ser a habitação do espírito do homem." [Manly P. Hall, The Secret Teachings of All Ages].
Aspartame
O aspartame é um adoçante artificial usado em produtos "sem açúcar" como os refrigerantes Diet e as gomas de mascar. Desde sua descoberta em 1965, o aspartame causou grande controvérsia com relação aos riscos para a saúde — principalmente tumores cerebrais — e a FDA negou a autorização para que ele pudesse ser vendido ao público. A companhia Searle, que tentava colocar o aspartame no mercado, escolheu então Donald Rumsfeld como executivo-chefe em 1977... e as coisas mudaram drasticamente. Após um breve período de tempo, o aspartame passou a ser encontrado em mais de 5.000 produtos.
"Donald Rumsfeld esteve na equipe de transição do presidente Reagan e, no dia seguinte após a posse, indicou um Comissário da FDA que aprovaria o aspartame. A FDA tinha criado uma Junta Examinadora com seus melhores cientistas e eles disseram que o aspartame não era seguro e que causava tumores cerebrais, de modo que a petição para a aprovação foi rejeitada. O novo Comissário da FDA, Arthur Hull Hayes, desconsiderou a decisão da junta e liberou o uso do aspartame. Posteriormente, ele passou a trabalhar para a agência de relações públicas do fabricante, a Burson-Marstellar, segundo rumores, a 1.000 dólares por dia, e se recusa a falar com a imprensa desde então." [Fonte: Donald Rumsfeld and Aspartame].
Anos após a aprovação pela FDA, cientistas proeminentes ainda aconselham a organização a banir o produto.
"O Dr. John Olney, que fundou o campo da neurociência chamado Excitotoxidade, tentou parar a aprovação do aspartame com o promotor James Turner, já em 1996. O próprio toxicologista da FDA, o Dr. Adrian Gross, disse ao Congresso que, sem sombras de dúvidas, o aspartame pode causar tumores cerebrais e câncer no cérebro e violava a Emenda Delaney, que proíbe colocar qualquer produto sabidamente cancerígeno nos alimentos. Informações detalhadas sobre isso podem ser encontradas no Bressler Report (FDA Report on Searle)." [Ibidem].
Em 1995, a FDA foi forçada a liberar, pela Lei de Liberdade da Informação, uma lista de 92 sintomas causados pelo aspartame reportados por milhares de vítimas. Entre eles, estavam: dores de cabeça, distúrbios no equilíbrio, mudança de humor, vômito, náusea, dor abdominal, mudança da visão, diarreia, convulsões, perda de memória, fadiga, fraqueza geral, coceiras, dificuldades no sono, mudança no ritmo cardíaco, inchaços, dificuldades respiratórias, etc. Os produtos que apresentaram maior índice de reação no público foram: refrigerantes, adoçantes, gelatinas, pudins, goma de mascar, chocolate quente, sucrilhos, etc.
Entretanto, esses sintomas são apenas a ponta do iceberg. O aspartame já foi vinculado a doenças severas e problemas de saúde de longo prazo.
"De acordo com os principais médicos e pesquisadores do assunto, o aspartame causa dor de cabeça, perda de memória, convulsões, perda da visão, coma e câncer. Ele piora ou imita os sintomas de doenças e quadros clínicos como fibromalgia, esclerose múltipla, lúpus, Transtorno do Déficit de Atenção, diabetes, Mal de Alzheimer, fadiga crônica e depressão. Outros perigos salientados é que o aspartame libera o álcool metílico. O envenenamento crônico com o metanol resultante afeta o sistema de dopamina do cérebro, causando a dependência. O metanol, também chamado de álcool da madeira, constitui um terço da molécula do aspartame e está classificado como um veneno e narcótico metabólico severo." [Ibidem].
Conclusão
Se a principal mensagem do site The Vigilant Citizen até aqui tem sido "observar aquilo que entra na sua mente", a principal mensagem deste artigo foi "observar aquilo que entra no seu corpo". O consumo dos produtos citados acima provavelmente não causará um efeito imediato e observável. Entretanto, após ingerir essas substâncias durante muitos anos, os pensamentos da pessoa se tornam cada vez mais turvos e embaçados, e as capacidades de concentração e de julgamento se tornam diminuídas. Em outras palavras, a mente que antes era ágil se torna apática. O que acontece quando uma população é severamente sedada e envenenada dia após dia? Ela se torna inerte, dócil como um zumbi. Em vez de fazer as perguntas importantes e buscar uma verdade mais elevada, a massa idiotizada simplesmente realiza suas tarefas cotidianas e absorve tudo aquilo que a grande mídia lhe diz. É isto que a elite está procurando criar?
Entretanto, ainda existe uma esperança. Muitos dos efeitos negativos das substâncias descritas anteriormente são reversíveis. E VOCÊ é quem decide o que entra no seu corpo. Este artigo oferece uma rápida visão geral dos perigos que cercam o consumidor desavisado, porém existem toneladas de informações para você basear suas decisões esclarecidas. Seu corpo é um templo. Você permitirá que ele seja contaminado?
Leia também::
A Sociedade Idiotizada — Parte 1
Os Efeitos dos Medicamentos de Controle da Mente, dos Alimentos Transgênicos, do Flúor e do Aspartame. A Sociedade Idiotizada 01. Existe um esforço deliberado por parte do governo para idiotizar as massas? É difícil provar isto, mas ...
A Sociedade Idiotizada — Parte 2
A Sociedade Idiotizada 02 Sabe-se que o mercúrio degenera os neurônios cerebrais e interfere com o sistema nervoso central, porém ele ainda é adicionado nos alimentos industrializados e nas vacinas compulsórias. Nesta segunda parte ...
Alimentos, Saúde e Cuidados
A Sociedade Idiotizada — Parte 1. Os Efeitos dos Medicamentos de Controle da Mente, dos Alimentos Transgênicos, do Flúor e do Aspartame Existe um esforço deliberado por parte do governo para idiotizar as massas? É difícil provar isto, ...
leia mais...

15/08/2016

A mafia medica existe é todos nos somos vitimas




Vídeo: reportagem do Fantástico sobre desvio de dinheiro do SUS em Maceió e Rio de Janeiro, onde idosos e crianças são usados para desviar milhões


Veja o Video: Aqui




untitled mafia medica



“A Máfia Médica” é o título do livro que custou à doutora Ghislaine Lanctot a sua expulsão do colégio de médicos e a retirada da sua licença para exercer medicina.







Trata-se provavelmente da denuncia, publicada, mais completa, integral, explícita e clara do papel que o livro expõe, por um lado, a errônea concepção da saúde e da enfermidade, que tem a sociedade ocidental moderna, fomentada por esta máfia médica que monopolizou a saúde pública criando o mais lucrativo dos negócios.







Para além de falar sobre a verdadeira natureza das enfermidades, explica como as grandes empresas farmacêuticas controlam não só a investigação, mas também a docência médica, e como se criou um Sistema Sanitário baseado na enfermidade em vez da saúde, que cronifica enfermidades e mantém os cidadãos ignorantes e dependentes dele.







O livro é pura artilharia pesada contra todos os medos e mentiras que destroem a nossa saúde e a nossa capacidade de auto-regulação natural, tornando-nos manipuláveis e completamente dependentes do sistema.







Vejam o vídeo no Youtube, e abaixo transcrição de entrevista com a Dr. Lanctot.
















A seguir, uma bela entrevista à autora, realizada por Laura Jimeno Muñoz para Discovery Salud:







MEDICINA SIGNIFICA NEGÓCIO







DS: A autora de A Máfia Médica acabou os seus estudos de Medicina em 1967, numa época em que – como ela mesma confessa – estava convencida de que a Medicina era extraordináriae, de que antes do final do séc. XX se teria o necessário para curar qualquer enfermidade. Só que essa primeira ilusão foi-se apagando até extinguir-se. Porquê essa decepção?







GL: Porque comecei a ver muitas coisas que me fizeram reflectir. Por exemplo, que nem todas as pessoas respondiam aos maravilhosos tratamentos da medicina oficial. Para além disso, naquela época entrei em contacto com várias terapias suaves – ou seja, praticantes de terapias não agressivas (em francês Médecine Douce)– que não tiveram problema algum em me abrir as suas consultas e em deixar-me ver o que faziam. Rapidamente concluí que as medicinas não agressivas são mais eficazes, mais baratas e, ainda por cima, têm menores efeitos secundários.







DS: E suponho que começou a perguntar-se por que é que na Faculdade ninguém lhe havia falado dessas terapias alternativas não agressivas?







GL: Assim foi. Logo a minha mente foi mais além e comecei a questionar-me como era possível que se chamassem charlatães a pessoas a quem eu própria tinha visto curar e lado, como médico tinha participado em muitos congressos internacionais-em alguns como ponente – e dei-me conta de que todas as apresentações edepoimentos que aparecem em tais eventos estão controladas e requerem, obrigatoriamente, ser primeiro aceites pelo comité científico organizador do congresso.







DS: E quem designa esse comité científico?







GL: Pois geralmente quem financia o evento: a indústria farmacêutica. Sim, hoje são as multinacionais quem decide, até o que se ensina aos futuros médicos nas faculdades e o que se publica e expõe nos congressos de medicina! O controlo é absoluto.







DS: E isso foi clarificador para si…?







GL: E muito! Dar-me conta do controlo e da manipulação a que estão sujeitos os médicos – e os futuros médicos, ou sejam os estudantes – fez-me entender claramente que a Medicina é, antes de tudo, um negócio. A Medicina está hoje controlada pelos seguros-públicos ou privados, o que dá na mesma, porque enquanto alguém tem um seguro perde o controlo sobre o tipo de medicina a que acede. Já não pode escolher. E há mais, os seguros determinam inclusivamente o preço de cada tratamento e as terapias que se vão praticar. Esse olharmos para trás das companhias de seguros ou da segurança social… encontramos o mesmo.







DS: O poder económico?







GL: Exacto, é o dinheiro quem controla totalmente a Medicina. E a única coisa que de verdade interessa a quem maneja este negócio é ganhar dinheiro. E como ganhar mais? Claro, tornando as pessoas doentes…. porque as pessoas sãs, não geram ingressos. A estratégia consiste em suma, em ter enfermos crónicos que tenham que consumir o tipo de produtos paliativos, ou seja, para tratar só sintomas, medicamentos para aliviar a dor, baixar a febre, diminuir ainflamação. Mas, nunca fármacos que possam resolver uma doença. Isso não é rentável, não interessa. A medicina actual está concebida para quea gente permaneça enferma o maior tempo possível e compre fármacos; se possível, toda a vida.




UM SISTEMA DE ENFERMIDADE




DS: Deduzo que essa é a razão pela qual no seu livro se refere ao sistema sanitário como “sistema de enfermidade”.




GL: Efectivamente. O chamado sistema sanitário é na realidade um sistema de enfermidade. Pratica-se uma medicina da enfermidade e não da saúde. Uma medicina que só reconhece a existência do corpo físico e não tem em conta nem o espírito, nem a mente, nem as emoções. E que para além disso, trata apenas o sintoma e não a causa do problema. Trata-se de um sistema que mantém o paciente na ignorância e na dependência, e a quem se estimula para que consuma fármacos de todo o tipo.




DS: Supõe-se que o sistema sanitário está ao serviço das pessoas!




GL: Está ao serviço de quem dele tira proveito: a indústria farmacêutica. De uma forma oficial – puramente ilusória – o sistema está ao serviço do paciente, mas oficiosamente, na realidade, o sistema está às ordens da indústria que é quem move os fiose mantém o sistema de enfermidade em seu próprio benefício. Em suma, trata-se de uma autêntica máfia médica, de um sistema que cria enfermidades e mata por dinheiro e por poder.






DS: E que papel desempenha o médico nessa máfia?






GL: O médico é – muitas vezes de uma forma inconsciente, é verdade – a correia de transmissão da grande indústria. Durante os 5 a 10 anos que passa na Faculdade de Medicina o sistema encarrega-se de lhe inculcar uns determinados conhecimentos e delhe fechar os olhos para outras possibilidades. Posteriormente, nos hospitais e congressos médicos, é-lhe reforçada a ideia de que a função do médico é curar e salvar vidas, de que a enfermidade e a morte são fracassos que deve evitar a todo o custo e de que o ensinamento recebidoé o único válido. E mais, ensina-se-lhes que o médico não deve implicar-se emocionalmente e que é um «deus» da saúde. Daí resulta que exista caça às bruxas entre os próprios profissionais da medicina. A medicina oficial, a científica, não pode permitir que existam outras formas de curar que não sejam servis ao sistema.




DS: O sistema, de facto, pretende fazer crer que a única medicina válida é a chamada medicina científica, aque você aprendeu e que renegou. Precisamente no mesmo número da revista em que vai aparecer a sua entrevista, publicamos um artigo a respeito.




GL: A medicina científica está enormemente limitada porque se baseia na física materialista de Newton: tal efeito obedece a tal causa. E, assim, tal sintoma precede a tal enfermidade e requer tal tratamento. Trata-se de uma medicina que ademais só reconhece o que se vê, se toca, ou se mede e nega toda a conexão entre as emoções, o pensamento, a consciência e o estado de saúde do físico. E quando a importunamos com algum problema desse tipo cola a etiqueta de enfermidade psicossomática ao paciente e envia-o para casa.




DS: É dizer, que no que lhe toca, a medicina convencional só se ocupa em fazer desaparecer os sintomas.




GL: Salvo no que se refere a cirurgia, os antibióticos e algumas poucas coisas mais, como os modernos meios de diagnóstico, sim. Dá a impressão de curar mas não cura. Simplesmente elimina a manifestação do problema no corpo físico mas este, cedo ou tarde, ressurge.




DS: Pensa que, dão melhor resultado as chamadas medicinas suaves ou não agressivas.




GL: São uma melhor opção porque tratam o paciente de uma forma holística e ajudam-no a curar… mas tão pouco curam. Olhe, qualquer das chamadas medicinas alternativas constituem uma boa ajuda mas apenas isso: complementos! Porque o verdadeiro médico é o próprio. Quando está consciente da sua soberania sobre a saúde, deixa de necessitar de terapeutas. O Enfermo é o único que pode curar-se. Nada pode fazê-lo em seu lugar. A autocura é a única medicina que cura.




DS: A questão é que o sistema trabalha para que esqueçamos a nossa condição de seres soberanos e nos convertamos em seres submissos e dependentes. Nas nossas mãos está pois, romper essa escravidão. E, na sua opinião, por que é que as autoridades políticas, médicas, mediáticas e económicas o permitem? Porque os governos não acabam com este sistema de enfermidade, que por outro lado, é caríssimo?




GL: Acerca disso, tenho três hipóteses. A primeira é que talvez não saibam que tudo isto se passa… mas é difícil de aceitar porque a informação está ao seu alcance há muitos anos e nos últimos vinte anos foram já várias as publicações que denunciaram a corrupção do sistema e a conspiração existente. A segunda hipótese é que não podem acabar com ele… mas também resulta como difícil de acreditar porque os governos têm poder.




DS: E a terceira, suponho, é que não querem acabar com o sistema.




GL: Pois o certo é que, eliminadas as outras duas hipóteses, essa parece a mais plausível. E se um Governo se nega a acabar com um sistema que arruína e mata os seus cidadãos é porque faz parte dele, porque faz parte da máfia.




A MAFIA MÉDICA




DS: Quem, na sua opinião, integra a “máfia médica”?




GL: Em diferentes escalas e com distintas implicações, com certeza, a industria farmacêutica, as autoridades políticas, os grandes laboratórios, os hospitais, as companhias seguradoras, as Agencias dos Medicamentos, as Ordens dos Médicos, os próprios médicos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) – o Ministério da Saúde da ONU- e, com certeza, o governo mundial na sombra do dinheiro.




DS: Entendemos que para si, a Organização Mundial da Saúde é “a máfia das máfias”?




GL: Assim é. Essa organização está completamente controlada pelo dinheiro. A OMS é a organização que estabelece, em nome da saúde, a “política de enfermidade” em todos os países. Todo o mundo tem que obedecer cegamente às directrizes da OMS. Não há escapatória. De facto, desde 1977, com a Declaração de Alma Ata, nada pode escapar ao seu controle.




DS: Em que consiste essa declaração?




GL: Trata-se de uma declaração que dá à OMS os meios para estabelecer os critérios e normas internacionais da prática médica. Assim, foi retirada aos países a sua soberania em matéria de saúde para transferi-la para um governo mundial não eleito, cujo “ministério da saúde” é a OMS. Desde então, “direito à saúde” significa “direito à medicação”. Foi assim que, impuseram as vacinas e os medicamentos, a toda a população do globo.




DS: Uma ação que não se questiona.




GL: Claro, porque, “quem vai ousar duvidar das boas intenções da Organização Mundial de Saúde?” Com certeza, há que perguntar quem controla, por sua vez essa organização através da ONU? O poder económico!




DS: Crê que, nem sequer as organizações humanitárias escapam a esse controlo?




GL: Com certeza que não. As organizações humanitárias também dependem da ONU, ou seja, do dinheiro das subvenções. E portanto, as suas actividades estão igualmente controladas. Organizações como Médicos Sem Fronteiras acreditam que servem altruisticamente as pessoas, mas na realidade servem ao dinheiro.




DS: Uma máfia sumamente poderosa!




GL: Omnipotente, diria eu. Eliminou toda a competência. Hoje em dia, “orientam-se ” os investigadores. Os dissidentes são encarcerados, manietados e reduzidos ao silêncio. Aos médicos “alternativos” intitulam-nos de loucos, retiram-lhes a licença, ou encarceram-nos, também. Os produtos alternativos rentáveis caíram igualmente nas mãos das multinacionais graças às normativas da OMS e às patentes da Organização Mundial do Comércio. As autoridades e os seus meios de comunicação social ocupam-se a alimentarem, entre a população, omedo da enfermidade, da velhice e da morte. De facto, a obsessão por viver mais ou, simplesmente, por sobreviver, fez prosperar inclusivamente o tráfico internacional de órgãos, sangue e embriões humanos. E em muitas clínicas de fertilização, na realidade “fabricam-se” uma multitude de embriões, que logo se armazenam para serem utilizados em cosmética, em tratamentos rejuvenescedores, etc. Isso sem contar com o que se irradiam os alimentos, se modificam os genes, a água está contaminada, o ar envenenado. E mais, as crianças recebem, absurdamente, até 35 vacinas antes de irem para a escola. E assim, cada membro da família tem já o seu comprimido: o pai, o Viagra; amãe, o Prozac; o filho, o Ritalin. E tudo isto para quê? Porque o resultado é conhecido: os custos sanitários sobem e sobem, mas as pessoas continuam adoecendo e morrendo da mesma forma.




AS AUTORIDADES MENTEM




DS: O que explica do sistema sanitário imperante é uma realidade que cada vez mais gente começa a conhecer, mas surpreenderam-nos alguns das suas afirmações a respeito doque define como ´”as três grandes mentiras das autoridades políticas e sanitárias.




GL: Pois reitero-o: as autoridades mentem quando dizem que as vacinas nos protegem, mentem quando dizem que a AIDS é contagiosa e mentem quando dizem que o câncer éum mistério.




DS: Bem, falaremos disso ainda que, já lhe adianto, na revista não compartilhamos alguns dos seus pontos de vista. Se lhe parece bem, podemos começar por falar das vacinas. Na nossa opinião, a sua afirmação de que nenhuma vacina é útil, não se sustém. Uma coisa com que concordamos, é que algumas são ineficazes e outras inúteis; às vezes, até perigosas.




GL: Pois eu mantenho todas as minhas afirmações. A única imunidade autêntica é a natural e essa desenvolve-a 90% da população, antes dos 15 anos. E mais, as vacinas artificiais curto-circuitam por completo o desenvolvimento das primeiras defesas do organismo. E que as vacinas têm riscos, é algo muito evidente; apesar de se ocultar. Por exemplo, uma vacina pode provocar a mesma enfermidade para que se destina. Porque não se adverte? Também se oculta que a pessoa vacinada pode transmitir a enfermidade ainda que não esteja enferma. Assim mesmo, não se diz que a vacina pode sensibilizar a pessoa perante a enfermidade. Ainda que o mais grave seja que se oculte a inutilidade, constatada, de certas vacinas.




DS: A quais se refere?




GL: Às das enfermidades como a tuberculose e o tétano, vacinas que não conferem nenhuma imunidade; a rubéola, de que 90% das mulheres estão protegidas de modo natural; a difteria, que durante as maiores epidemias só alcançava a 7% das crianças apesar disso, hoje, vacina todos; a gripe, a hepatite B, cujos vírus se fazem rapidamente resistentes aos anti-corpos das vacinas.




DS: E até que ponto podem ser também perigosas?




GL: As inumeráveis complicações que causam as vacinas – desde transtornos menores até à morte – estão suficientemente documentadas; por exemplo, a morte súbita do lactante. Por isso há já numerosos protestos de especialistas na matéria e são inúmeras as demandas judiciais que foram interpostas contra os fabricantes. Por outra parte, quando se examinam as consequências dos programas de vacinações massivas extraem-se conclusões esclarecedoras.




DS: Agradeceria que mencionasse algumas.




GL: Olhe, em primeiro lugar as vacinas são caras e constituem para o Estado um gasto de mil milhões de euros ao ano. Portanto, o único benefício evidente e seguro das vacinas… é o que obtém a industria. Além disso, a vacinação estimula o sistema imunitário, mas repetida a vacinação o sistema esgota-se. Portanto, a vacina repetida pode fazer, por exemplo, estalar a “sida silenciosa” e garantir um “mercado da enfermidade”, perpetuamente florescente. Mais dados: a vacinação incita à dependência médica e reforça a crença de queo nosso sistema imune é ineficaz. Ainda o mais horrível é que a vacinação facilita os genocídios selectivos pois permite liquidar pessoas de certa raça, de certo grupo, de certa região… Serve como experimentação para testar novos produtos sobre um amplo mostruário da população e uma arma biológica potentíssima ao serviço da guerra biológica porque permite interferir no património genético hereditário de quem se queira.




DS: Bom, é evidente que há muitas coisas das quais se pode fazer um bom ou mau uso mas isso depende da vontade e intenção de quem as utiliza. Bem, falemos se lhe parece, da segunda grande mentira das autoridades: você afirma que a Sida não é contagiosa. Perdoe-me, mas assim como o resto das suas afirmações nos pareceram pensadas e razoáveis, neste âmbito não temos visto que argumente essa afirmação.




GL: Eu afirmo que a teoria de que o único causador da sida é o VIH o Vírus da Imunodeficiência,Adquirida é falsa. Essa é a grande mentira. A verdade é que ter o VIH não implica necessariamente desenvolver sida. Porque a sida não é senão uma etiqueta que se “coloca” num estado de saúde a que dão lugar numerosas patologias quando o sistema imunitário está em baixo. E nego que ter sida equivalha a morte segura. Mas, claro, essa verdade não interessa. As autoridades impõem-nos à força a ideia de que a Sida é una enfermidade causada por um só vírus apesar de o próprio Luc Montagnier,do Instituto Pasteur, co-descobridor oficial do VIH enm1983, ter reconhecido já em 1990, que o VIH não é suficiente por si só para causara sida. Outra evidência é o facto de que há numerosos casos de sida, sem vírus VIH e numerosos casos de vírus VIH, sem sida (seropositivos). Por outro lado, ainda não se conseguiu demonstrar que o vírus VIH cause asida, e a demonstração é uma regra científica elementar para estabelecer uma relação causa-efeito, entre dois factores. O que se sabe, sem dúvida, é que o VIH é um retrovirus inofensivo que só se activa quando o sistema imunitário está debilitado.




DS: Você afirma no seu livro que o VIH foi criado artificialmente num laboratório.




GL: Sim. Investigações de eminentes médicos indicam que o VIH foi criado enquanto se faziam ensaios de vacinação contra a hepatite B em grupos de homossexuais. E tudo indica que o continente africano foi contaminado do mesmo modo durante campanhas de vacinação contra a varíola. Claro que outros investigadores vão mais longe ainda e afirmam que o vírus da sida foi cultivado como arma biológica e depois deliberadamente propagado mediante a vacinação de grupos de população que se queriam exterminar.




DS: Também observamos que ataca duramente a utilização do AZT para tratar a sida.




GL: Já no Congresso sobre SIDA celebrado em Copenhague em Maio de 1992 os superviventes da sida afirmaram que a solução então proposta pela medicina científica para combater o VIH, o AZT, era absolutamente ineficaz. Hoje isso está fora de qualquer dúvida. Pois bem, eu afirmo que se pode sobreviver à sida… mas não ao AZT. Este medicamento é mais mortal que a sida. O simples senso comum permite entender que não é com fármacos imuno-depressores que se reforça o sistema imunitário. Olhe, a sida converteu-se noutro grande negócio. Por isso, promociona-se amplamente combatê-lo, porque ele dá muito dinheiro à industria farmacêutica. É tão simples quanto isto.




DS: Falemos da “terceira grande mentira” das autoridades: a de que o câncer é um mistério.




GL: O chamado câncer, ou seja, a massiva proliferação anómala de células, é algo tão habitual que todos o padecemos varias vezes ao longo da nossa vida. Só que quando isso sucede, o sistema imunitário actua e destrói as células cancerígenas. O problema surge quando o nosso sistema imunitário está débil e não pode eliminá-las. Então o conjunto de células cancerosas acaba crescendo e formando um tumor.




DS: E é nesse momento quando se entra na engrenagem do “sistema de enfermidade”.




GL: Assim é. Porque quando se descobre um tumor se oferece de imediato ao paciente, com o pretexto de ajudá-lo, que escolha entre estas três possibilidades ou “formas de tortura”: amputá-lo (cirurgia), queimá-lo (radioterapia) ou envenena-lo (quimioterapia). Escondendo-se-lhe, que existem remédios alternativos eficazes,inócuos e baratos. E depois de quatro décadas de “luta intensiva”contra o câncer, qual é a situação nos próprios países industrializados? Que a taxa de mortalidade, por câncer, aumentou. Esse simples facto põe em evidência o fracasso da sua prevenção e do seu tratamento. Desperdiçaram-se milhares de milhões de euros e tanto o número de doentes, como o de mortos, contínua crescendo. Hoje sabemos a quem beneficia esta situação. Como sabemos quem a criou e quem a sustem.No caso da guerra, todos sabemos que esta beneficia sobretudo aos beneficia são os fabricantes e traficantes do “armamento contra o câncer” ou seja, quem está detrás da quimioterapia, da radioterapia, da cirurgia e de toda a industria hospitalar.




A MAFIA, UMA NECESSIDADE EVOLUTIVA




DS: No entanto, apesar de tudo, mantém que a máfia médica é uma necessidade evolutiva da humanidade. Quequer dizer com essa afirmação?




GL: Verá, pense num peixe comodamente instalado no seu aquário. Enquanto tem agua e comida, tudo está bem mas se lhe começa a faltar o alimento e o nível da agua desce perigosamente o peixe decidirá saltar para fora do aquário buscando uma forma de se salvar. Bom, pois eu entendo que a máfia médica nos pode empurrar a dar esse salto individualmente. Isso, se houver muita gente que prefira morrer a saltar.




DS: Mas para dar esse salto é preciso um nível de consciência determinado.




GL: Sim. E eu creio que se está elevando muito e muito rapidamente. A informação que antes se ocultava agora é pública: que a medicina mata pessoas, que os medicamentos nos envenenam, etc. Ademais, o médico alemão Ryke Geerd Hamer demonstrou que todas as enfermidades são psicossomáticas e as medicinas não agressivas ganham popularidade. A máfia médica desmoronar-se-á como um castelo de naipes quando 5% da população perder a sua confiança nela. Basta que essa percentagem da população mundial seja consciente e conectado com a sua própria divindade. Então decidirá escapar à escravatura a que tem sido submetida pela máfia e o sistema actual derrubará. Tão simples como isto.




DS: E em que ponto crê que estamos?




GL: Não sei quantificá-lo, mas penso que provavelmente em menos de 5 anos todo o mundo se dará conta de que quando vai ao médico vai a um especialista da enfermidade e não a um especialista da saúde. Deixar de lado a chamada “medicina científica” e asegurança que oferece, para ir a um terapeuta é já um passo importante.Também o é perder o respeito e a obediência cega ao médico. O grande passo é dizer não à autoridade exterior e dizer sim à nossa autoridade interior.




DS: E o que é que nos impede de romper com a autoridade exterior?




GL: O medo. Temos medo de não chamar o médico. Mas é o medo, por si próprio, quem nos pode enfermar e matar. Nós morremos de medo. Esquecermo-nos que a natureza humana é divina, o que quer dizer, concebida para nos comportarmos como deuses. E desde quando os deuses têm medo? Cada vez que nos comportamos de maneira diferente da de um deus pomo-nos enfermos. Essa é a realidade.




DS: E o que podem fazer os meios de comunicação para contribuir para a elevação da consciência nesta matéria?




GL: Informar sem tentar convencer. Dizer o que sabeis e deixar às pessoas fazer o que queiram com a informação. Porque intentar convencê-las será impor outra verdade e de novo estaríamos noutra guerra. Necessita-se apenas dar referencia. Basta dizer as coisas. Logo, as pessoas as escutarão, se ressoarem nelas. E, se o seu medo for maior do que o seu amor por si mesmos, dirão: “Isso é impossível”. Se pelo contrário têm aberto o coração, escutarão e questionarão as suas convicções. É então, nesse momento, quando quiserem saber mais, que se lhes poderá dar mais informação.






Fonte: Youtube


Arranjo: Jhero

leia mais...

CENTRAL NEWS

LEIA TAMBÉM

 
Copyright © 2016 CENTRAL NOTICIAS • All Rights Reserved.
Template Design by ORIGINAISOADM • Powered by Blogger
back to top